FAQs



O que é a energia solar?

é a energia que se obtém através da radiação solar.


Para que serve a energia solar?

O solar fotovoltaico serve principalmente para fornecer electricidade em locais isolados, é utilizado em sistemas de bombagem e purificação de água ou na iluminação doméstica. O solar térmico é bastante eficaz no aquecimento de água (banhos, aquecimento central, piso radiante ou piscinas) e em outras aplicações que requerem temperaturas baixas (até 90Cº).


O que é a energia solar fotovoltaica?

é a capacidade de converter a energia que vem do sol em energia eléctrica. A luz é transformada em energia eléctrica através de semicondutores, quando a luz solar incide sobre os painéis solares fotovoltaicos, produz-se uma corrente de electrões, temos então a energia eléctrica que é armazenada em baterias.


O que é a energia solar térmica?

é a capacidade de converter a energia que vem do sol em energia térmica. Utiliza-se o calor irradiado pelo sol para aquecer um fluido a elevadas temperaturas, de modo a aquecer a água que é armazenada num depósito.


Mas afinal existem dois tipos de painéis solares?

Sim. Usualmente as pessoas dão o mesmo nome (painel solar) a dois sistemas "painéis" completamente diferentes: Colector solar e painel fotovoltaico.


Qual é a diferença entre um colector solar e um painel fotovoltaico?

Um colector solar fornece água quente, enquanto que um painel fotovoltaico (com células fotovoltaicas) fornece electricidade.


Como distinguir nos telhados das casas os diferentes painéis?

Se o painel solar tiver anexado a ele um depósito cilíndrico, é porque está na presença de um colector solar. Esse depósito em formato de um cilindro serve para guardar a água quente para, por exemplo, durante a noite. No entanto o painel solar pode não ter esse depósito junto a ele. Nesse caso, a identificação do tipo de painel não é fácil a distância.


Qual é a diferença entre um Colector, um Termo-Acumulador e o Eco-Termo?

Um Colector é um conjunto de um Termo-Acumulador e de um Eco-Termo. O Termo-Acumulador aquece a água e o Eco-Termo guarda a água mantendo-a quente.


é possível ter aquecimento central por painel solar?

Sim.


Conheço os painéis solares normais de aquecimento de aguas sanitárias. Os painéis para aquecimento central são iguais?

Sim, são os mesmos, podendo o mesmo colector ser usado para ambos os objectivos.


Quanto poupo com um sistema solar térmico?

Um sistema correctamente dimensionado permite poupar em média 70% da energia necessária para aquecer a água que usamos em casa.


Ainda preciso de gás ou gasóleo depois de ter um sistema solar térmico?

Sim, mas só como apoio ao sistema solar em dias seguidos sem luminosidade suficiente, gastando em média 20% da energia proveniente do gás ou gasóleo.


Em dias sem sol ou no Inverno os colectores térmicos funcionam?

Mesmo no Inverno há dias com muito sol, claro que em média a energia disponível nessa altura do ano é menor e apenas fornece cerca de 50% das necessidades. Quando não há suficiente luminosidade o sistema de apoio (caldeira, esquentador, resistência eléctrica dentro do próprio colector, etc.) entra em funcionamento.

-----------------------------------------------------------------------------


Energia Solar


Como se pode diminuir a exploração das fontes energéticas tradicionais ?

A diminuição da exploração/dependência das fontes de energia tradicionais deve-se fazer a vários níveis. Primeiro que tudo devemos pensar na eficiência energética, independentemente da fonte de energia ser tradicional ou alternativa (nomeadamente as desejáveis energias renováveis). A eficiência energética pode ser trabalhada tanto na produção de energia como nos processos produtivos industriais que deve funcionar com equipamentos de alta rentabilidade e com equipamentos complementares de aproveitamento de energia, como é o caso da co-geração (aproveitamento de calor - que de outra forma seria perdido inutilmente para a atmosfera - para produção de energia eléctrica ou aquecimento e/ou introdução nos processos produtivos).

A eficiência energética dos edifícios para habitação também é muito importante, pois uma parte significativa da energia que consumimos é na climatização (aquecimento e arrefecimento) das nossas casas, a simples adequada orientação das habitações, a escolha dos materiais e estrutura arquitectónica podem reduzir drasticamente as necessidades de consumo de energia. Ou seja a prevenção é sempre a melhor ferramenta para a sustentabilidade.

Por outro lado a utilização de energias de fontes renováveis é importante, diria mesmo vital! Os problemas ambientais globais (efeito de estufa, buraco de ozono, chuvas acidas, etc.) prendem-se quase todos eles com o consumo de combustíveis fosseis para a produção de energia. Assim, quebrar os interesses instalados ligados a produção de petróleo, gás natural e carvão, e instalar novos interesses ligados a produção de energia com recurso a fontes renováveis (sol, água, biomassa, matéria orgânica, etc.).

As energias renováveis são uma realidade, aliás com utilização de vários séculos (ex.: moinhos de vento, moinhos de maré, etc.)!

Resumindo, tanto a eficiência energética (na produção e utilização de energia) como na utilização de fontes de energia renováveis é possível diminuir a exploração de energias tradicionais. Aliás, é possível eliminar por completo a dependência deste tipo de energias, existe um país do norte da Europa (não me recordo qual) que elaborou um plano energético nacional que prevê a eliminação a médio prazo da utilização de combustíveis fósseis.


Será lucrativa a utilização de energias renováveis ?

Já existem alguns importantes investimento em energias renováveis mas, questiona-se ainda a sua sustentabilidade uma vez que, foram altamente subsidiados.

é necessário a criação de mecanismos fiscais que favoreçam a utilização de energias renováveis. é o que já se passa com os produtores independentes de energia eléctrica, onde a EDP é obrigada por lei a comprar essa energia a um preço interessante. Este tipo de mecanismos devem ser estudados e aplicados a outras formas de utilização de energia.

Por outro lado, quando pensamos se a produção ou utilização de energias renováveis poderão ser lucrativas temos que estudar o problema de várias formas. Vou tentar dar alguns exemplos:

1- quando um produtor de porcos ou de aves tem que gerir os dejectos orgânicos (excrementos, camas dos animais, animais mortos, etc.) tem a possibilidade de instalar um digestor anaeróbio para a produção de biogás.

Assim, vai ter energia que pode utilizar nos seus transportes e/ou produzir energia eléctrica com a sua queima. Logo, vai ter proveitos económicos importantes tornando-se mais competitivo.

2- quando uma câmara municipal ou associação de municípios pretende instalar um incinerador para a queima de resíduos sólidos urbanos (RSU) com produção de energia eléctrica. Neste momento tem um incentivo, pois pode vender a um preço interessante a energia a EDP, contudo este incentivo devia de ser retirado uma vez que, o incinerador está a queimar restos de comida, plásticos, papel, vidro, etc. que poderiam ir para a reciclagem (o balanço energético da reciclagem de materiais é muito mais interessante do que a sua queima com aproveitamento de energia).

3- quando se instala um sistema de energias alternativas numa zona habitacional remota, a EDP está a poupar muito dinheiro em postes, cabos eléctricos, etc.

4- neste momento a EDP está muito preocupada com a chamada "gestão da procura". A ideia é fazer com que se consuma menos energia - parece um contra-senso - pois, desta forma pode evitar um investimento enorme em novas barragens, termoeléctricas ou importação de energia. Outros exemplos se podem dar, mas acima de tudo a utilização de energias renováveis são acima de tudo lucrativas para a saúde do nosso planeta e para as gerações futuras.


Gostava de saber mais sobre aproveitamentos deste tipo de energia, nomeadamente, custos, forma de estudar a viabilidade, etc.

é objectivo do Portal começar a disponibilizar informação sobre as várias formas de aproveitamento de energia renovável. Enquanto isso não acontece vamos na medida do possível responder as questões que vão sendo colocadas pelos nossos visitantes e clientes.

Assim, a respeito do seu pedido de informação devemos informar que União Europeia tem adiantado como objectivo um valor de 40000 MW instalados até ao ano 2010. Em Portugal, apesar de não terem sido apresentados quaisquer valores, existe a garantia governamental de criar um tarifário para a compra, pela EDP, da energia produzida em parques eólicos ou outra forma de energia renovável, de modo a incentivar os produtores independentes de electricidade a apostarem mais fortemente nestes tipos de energia. O Programa Energia apoia estes projectos através de um financiamento a taxa zero.

No caso de a energia produzida não ter como objectivo na rede pública pode consultar os produtos disponibilizados no nosso Portal, assim fica com uma ideia dos custos, capacidade de produção e características dos diferentes equipamentos.

A energia eólica tem sido aproveitada já há muitos anos pelo Homem, desde a sua captação por moinhos de vento (para moer os cereais) até a produção de energia eléctrica, mais recentemente. Em baixo segue alguma informação importante que pode servir de contexto:

Energia eólica (informação do Instituto do Ambiente)

A energia eólica é a energia cinética dos ventos e pode ser aproveitada para produzir electricidade através de turbinas eólicas (ou aerogeradores). A energia eólica varia diariamente e de local para local sendo em geral mais abundante nos pontos de maior altitude, nas zonas costeiras e nas grandes planícies.

A produção de electricidade a partir da energia eólica tem-se desenvolvido rapidamente nos últimos anos um pouco por todo o mundo ultrapassando, em 1998, a barreira simbólica dos 10 GW instalados e atingindo os 13,4 GW instalados no início do ano 2000. Segundo os dados disponíveis para finais de 1999, a Europa representava mais de 2/3 da capacidade instalada a nível mundial. Em Portugal, nota-se também um relativo desenvolvimento desta forma de produção de energia com mais de 100 MW instalados até 2001 contra apenas 19 MW em 1996, sendo projectado alcançar em 2010 uma potência instalada da ordem dos 2500 a 3000 MW.

Vantagens do recurso a energia eólica:

O desenvolvimento da energia eólica pode ser atractivo ao nível nacional pelos seguintes motivos:

contribuição positiva para o objectivo nacional em termos de limitação das emissões de gases com efeito de estufa e outras emissões atmosféricas (NOx, SO2, partículas...);

nula ou reduzida poluição atmosférica, da água e do solo;

contribuição para o objectivo de redução da dependência energética;

contribuição para os objectivos de política energética e de desenvolvimento sustentável.

Desvantagens do recurso a energia eólica

O desenvolvimento dum projecto eólico é susceptível de gerar alguns efeitos ambientais negativos que devem ser minimizados ou eliminados:

a localização dum parque eólico deve respeitar uma distância mínima em relação a zonas habitadas para que não se verifiquem perturbações provocadas pelo ruído emitido pelos aerogeradores, bem como evitar a escolha de sítios com valor patrimonial (arqueológico, histórico, ecológico, etc.);

o impacte visual de um parque eólico, embora seja subjectivo, exige certos cuidados nomeadamente quando implantado em zonas mais sensíveis do ponto de vista da qualidade visual da paisagem;

o movimento de rotação das pás dos aerogeradores pode ser responsável pela morte de aves. Este efeito pode ser minimizado com uma correcta localização dos parques eólicos evitando, nomeadamente, as rotas migratórias;

as fases de construção das vias de acesso e de implantação do parque eólico podem gerar alguns impactes na fauna e flora local.